Casa Digital

Folha de SP, 02/03/2005

Equipamentos wireless e programáveis promovem conforto e aumentam a segurança do morador


MARIANA BARROS
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA 

Ao acordar, a designer Andréa Zamora aciona, por um controle remoto, as tomadas em que estão ligados a cafeteira e o forno elétrico. Quando chega à cozinha, o café já está pronto e o pão, torrado. O mesmo controle é capaz de mover as persianas, ajustar a iluminação -é possível gravar preferências de cenários- e controlar os aparelhos de som e de home theater.
Por funcionar à distância, o controle permite que Andréa encha a banheira, programe a refrigeração do ar e acione o aquecimento do chão do quarto e do banheiro antes mesmo de chegar em casa. "As pessoas acham que é frescura, mas não há quem não goste do conforto de um hotel de luxo", compara.
Andréa pôs em prática o projeto de sua casa digital há dois anos, quando mudou-se de São Paulo para Camboriú, em Santa Catarina. "Valeu a pena porque passo mais tempo em casa. O problema é que eu trouxe comigo as neuroses paulistanas", diz, referindo-se aos cuidados com a segurança. As fechaduras são liberadas por reconhecimento da impressão digital e os empregados têm acesso restrito a certos dias e horários.
Segundo Andréa, até o trabalho da empregada doméstica ficou mais fácil. O aspirador de pó foi substituído por um sistema de aspiração central , tubulação interna cuja saída na parede assemelha-se a uma tomada e na qual é conectada uma mangueira de aspiração. Uma central computadorizada armazena a sujeira e informa sobre quando o filtro e o reservatório devem ser limpos.
A tendência das casas inteligentes é aumentar a autonomia e a integração entre os aparelhos. Este é também o objetivo do Digital Home Working Group , organização que visa integrar as soluções digitais desenvolvidas pelos seus 17 membros -entre eles a Intel, a Sony e a IBM. A Microsoft, que também faz parte do grupo, investe há dez anos na Microsoft Home, um laboratório de softwares para facilitar a vida doméstica.
Monitores espalhados pela casa exibem listas de compromissos e mensagens. O armário diz quais são as roupas disponíveis, quais estão sendo lavadas e quais combinam com outras peças. O microondas reconhece os alimentos pelo código de barras e calcula o tempo de cozimento. A geladeira alerta para os produtos que estão acabando.
No Brasil, a regulamentação dos serviços de automação residencial é feita pela AuReside (www.aureside.org.br), que emite certificados e dá treinamentos aos profissionais da área.

Nenhum comentário:

Postar um comentário