Longevidade abre novas possibilidades de negócios

Do artigo do Prof. Jorge Felix, especialista em assuntos da longevidade, publicado no Valor Economico, ressaltamos algumas passagens abaixo:

"O relatório The Silver Economy ("A economia da longevidade") foi lançado este ano pela consultoria Technopolis por encomenda da Comissão Europeia. O relatório define as oportunidades na intersecção dos setores público e privado para fomento da tecnologia nas áreas de saúde, cuidados, turismo, educação, automação de residências, entretenimento (games, principalmente) e robótica assistiva. Desde 2013, inspirada em uma iniciativa da França, a estratégia La French Tech, a Comissão Europeia tem divulgado inúmeros relatórios sobre o tema e destinado milhões de euros para pesquisa e desenvolvimento na área da tecnologia do envelhecimento"


"Essa estratégia tem obtido bons resultados na criação de empresas tecnológicas para o envelhecimento nos setores de saúde e automação residencial. De 2010 a 2016, o número mais que triplicou, saindo de menos de 400 para mais de 1.200 nos 24 países analisados(...)"


Para ler a integra do artigo: http://www.aureside.org.br/_pdf/longevidade.pdf 

Cinco tendências em tecnologias emergentes

Um novo estudo da Gartner aponta conco tendencias que estão se destacando na área tecnológica. Dentre estas, uma descrição de como as "casas inteligentes" devem se desenvolver nos próximos anos:

" As residências conectadas vão interligar dispositivos, sensores, ferramentas e plataformas que aprendem como os humanos usam sua casa. Sistemas cada vez mais inteligentes permitirão  experiências contextualizadas e personalizadas."

Abaixo um diagrama que mostra as cinco tendencias em estudo (clique para ampliar)




A Era dos Assistentes Virtuais

Autor: George Wootton, Diretor Técnico da AURESIDE
Publicado na revista Audio Video & Design, edição 159


Desenvolvidos para reconhecer a fala humana, aplicativos prometem revolucionar as rotinas domésticas.

Os assistentes virtuais (em Inglês,chamados de Voice Assistants) querem realmente fazer parte de sua vida. Mas o que são eles?

Na verdade, os assistentes virtuais são aplicativos desenvolvidos para reconhecer a fala humana, interpretar o que foi dito e reagir conforme um conjunto de regras e funcionalidades. Estes assistentes precisam de um equipamento onde possam “morar”,
o que, às vezes, confunde o usuário. Um exemplo típico é o assistente da Amazon, chamado de Alexa, que, normalmente, vem instalado em um equipamento chamado Amazon Echo. Então, é comum o usuário achar que se trata de uma coisa só, o que não é exatamente verdade....

Para ler o artigo na íntegra, clique aqui